Ione Rubra Rosa Poesia e Sentimento

 

"As Muralhas que eu puder, eu mesma derrubo. As que eu não puder, Deus põe no chão por mim!"



Textos


ARREBATAMENTO


 
Na areia da praia caminhei. E caminhei por um longo tempo. Apesar de quente, meus pés agradeciam aquele contato morno e agradável. Olhar o mar acalmava a alma, deixava-me mais perto de Deus.

O céu azul coberto por lindas nuvens, montanhas, imensidão, beleza... Beleza que me enchia os olhos de um brilho há muito esquecido. Constatei naquele instante que é na simplicidade que habita a felicidade.

Depois de muito caminhar sentindo a suave e doce brisa do mar tocando o meu rosto, sentei-me à sombra de uma árvore  próxima de uma vila de pescadores. Observei aquela gente guerreira, simples e feliz em sua labuta diária.

Bem perto de onde me sentara, uma canoa descansava da lida. Fiquei a pensar em quantas vezes já navegara naquele lindo e imenso mar? Quantas aventuras já vivenciara? Quantas tormentas enfrentara?

Quantas histórias aquela linda praia guardava? Quantos sonhos já presenciara? Ali, tudo exalava simplicidade e liberdade.  Me senti envolvida por uma onda de encanto e magia. Desejei ser um pássaro livre naquela amplidão. Quem dera o a vida fosse sempre esse oásis que agora eu contemplava.
 
Ione Rubra Rosa – 21/10/14
Foto: Marlon Gaspar

 
Ione Rubra Rosa
Enviado por Ione Rubra Rosa em 21/10/2014
Alterado em 21/10/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras